BICHO DE SETE CABEÇAS

bicho-de-sete-cabeças-blog

Muitas das vezes penso
em falar de Deus.
Mas não cabem-me
as liturgias.
Retrato-me com os
versos de Adélia Prado
e sigo meu próprio
destino.

Quando em quando
sinto o impulso de
auto-digladiação
e digo: Adília tem
mesmo razão, com
fogo não se brinca.

– criado o personagem
vem a assinatura:
Adília Prado.

Este monstro de
várias cabeças
sem qualquer
sentença.

POEMINHA PARA ACOMPANHAR DOCUMENTÁRIOS SOBRE VIDA EXTRATERRESTRE

bc2cb94934df3a5e880a72a3ae7418fe1528264882-

p/ Gabriela Souza

Os olhos estrelados a
alimentar-me porosmose

Olhos-clarão cruzando
todo este sistema

O calor da sua sílaba
exata
vivifica corpo-infinito
do poema…

MAPA

4f4efbef1081f9225184111f75cf99f1

I.
Estender-me
pelos rastros
dos grãos,
erigir por este
abismo
até
circundar
o amor psi-quê
cismo…

II.
Esgarço as linhas
fronteiriças
dessa boca-eros
castiça

III.
nenhumelemento

as mãos
vazias
aqui & agora

nenhumalinha
nenhumazinha
nenhumaminha

a pena
à quilo

caixa de
pandora

valha-me
tamanha
demora

ARRIMO

thumb2-wet-stones-4k-macro-gray-stone-background-stone-textures

Um vocábulo por si mesmo é incapaz
de sustentar-se, Pietro.

Veja bem: pedra.

Assim ao léu, pedra não diz nada,
pode conter qualquer simbolismo
pedra não-atirada.

A gramática como acessório de luxo
da transitoriedade,
título nenhum impede
o fluxo,
nenhum nome
salva-nos da nossa
banalidade.

PALINGENESIA

depositphotos_42170947-stock-photo-hand-with-butterfly-in-sky

Tornar-me digno das palavras
de algum futuro Heródoto
e deixá-lo empilhando ossos
sem datação exata.

Aceitar de bom grado perder
poemas um a um…

Como quem, por iluminação,
reconhece a necessidade vital
das borboletas em alçarem-se
depois de pousadas
nos dedos.

SAGRADO

Tombo-Queda-Homem-caindo11

Aos nove anos nenhum dos grandes questionamentos da humanidade importa. Muito embora a proximidade da mudança de milênio deixasse visível certo pânico no ar. Dois mil e, atarracado à ele, o armagedon.

Por isso, o riso deveria ser sagrado. Era inconcebível para minha cabeça adultos desperdiçando-os em ocasiões frívolas, como numa roda de amigos onde ninguém estava a cair. A gargalhada proferida sem tombos no raio de visão é desperdício. Toda criança carrega tal sabedoria. Há ligação intrínseca entre os músculos esborrachando-se ao chão e a boca fazendo o movimento de orelha a orelha.

Senti-me provedor do fogo: pessoas grandes desconheciam a premissa mais básica sobre existir. Observava-os em caráter de julgamento procurando sinais de lucidez. E nada. Sob as caudas das frases aleatórias surgiam eles, os sorrisos, sempre deslocados. Nada de trombadas, tropeções. Todos a ostentar equilíbrio.

Curiosidade aguçada: o que havia de engraçado? Teria eu, tão observador, deixado escapar algo? Qualquer investigador de nove anos que se preze, tendo em mente os bons manuais de inquirição antes dos dez (normalmente vistos na televisão); atenta-se aos detalhes, ao frívolo.

Arrastado por inúmeros lugares acorrentado aos adultos, eu observava suas roupas, traços, trejeitos. Até a tarde mais cinzenta de mil novecentos e noventa e nove, enquanto submerso na análise, tropeçar, por descuido, em meus cadarços e cair de cara no chão defronte com a plateia mais implacável existente: outras crianças.

Dedos apontados e zombarias histéricas.

Por um longo período não quis mais saber de risos. Nem de nada. Queria a chegada do réveillon. O mundo terminar soava menos assustador que conviver com a lembrança.

MÍMICA

mimica

Anterior ao desejo desenfreado de autenticidade encontra-se o tempo sombrio da busca por aceitação. Naquele início de milênio, porém, todo meu conhecimento resumia-se a um bairro e uma escola. Incapaz de assimilar o significado da palavra genuíno.

Entre as disputadas partidas de futebol pela rua, dedos perdendo o tampão, colocava-me observando as minucias dos gestos daqueles colegas dos quais as meninas demonstravam algum apreço. Raridade em meio aquele ciclo de amizades. Mas eu precisava descobrir uma forma de agradar. Obviamente, distante do roer unhas, gaguejar e permanecer avermelhado num estado de riso idiota de total incompreensão.

Fosse como fosse, o charme deveria poder ser aprendido. Testemunhava deslumbrado, diálogos complexos sobre festinhas, encontros para assistir filmes em vídeo cassete, cumprimentos com beijinhos no rosto. O enigmático mundo além do alcance. E sonhava receber o convite que mudaria a vida miserável de rejeição.

Repetia siglas indecifráveis, como cdf ou bv, estufando o peito e tentando demonstrar uma confiança inexistente. Embora enturmasse com os populares, usufruísse da mímica, tudo desmoronava no menor questionamento. O plano minucioso para conquistar as mais gatas da quinta série empacava num detalhe ínfimo: eu ainda era eu. E elas faziam questão de apontar para este fato.