BICHO DE SETE CABEÇAS

bicho-de-sete-cabeças-blog

Muitas das vezes penso
em falar de Deus.
Mas não cabem-me
as liturgias.
Retrato-me com os
versos de Adélia Prado
e sigo meu próprio
destino.

Quando em quando
sinto o impulso de
auto-digladiação
e digo: Adília tem
mesmo razão, com
fogo não se brinca.

– criado o personagem
vem a assinatura:
Adília Prado.

Este monstro de
várias cabeças
sem qualquer
sentença.

POEMINHA PARA ACOMPANHAR DOCUMENTÁRIOS SOBRE VIDA EXTRATERRESTRE

bc2cb94934df3a5e880a72a3ae7418fe1528264882-

p/ Gabriela Souza

Os olhos estrelados a
alimentar-me porosmose

Olhos-clarão cruzando
todo este sistema

O calor da sua sílaba
exata
vivifica corpo-infinito
do poema…

MAPA

4f4efbef1081f9225184111f75cf99f1

I.
Estender-me
pelos rastros
dos grãos,
erigir por este
abismo
até
circundar
o amor psi-quê
cismo…

II.
Esgarço as linhas
fronteiriças
dessa boca-eros
castiça

III.
nenhumelemento

as mãos
vazias
aqui & agora

nenhumalinha
nenhumazinha
nenhumaminha

a pena
à quilo

caixa de
pandora

valha-me
tamanha
demora

ARRIMO

thumb2-wet-stones-4k-macro-gray-stone-background-stone-textures

Um vocábulo por si mesmo é incapaz
de sustentar-se, Pietro.

Veja bem: pedra.

Assim ao léu, pedra não diz nada,
pode conter qualquer simbolismo
pedra não-atirada.

A gramática como acessório de luxo
da transitoriedade,
título nenhum impede
o fluxo,
nenhum nome
salva-nos da nossa
banalidade.